facebook-hoover twitter-hoover behanse-hoover ukbettips-hoover
Betting tipsPronosticos apuestasPonturi pariuriPronostici scommesseWetten tippsAposta e Ganha

COPA DO MUNDO FIFA 2014: ITÁLIA

Os tetracampeões chegam ao Brasil como equipe mais bem sucedida na história das Copas, atrás somente dos anfitriões.
italy
Italy celebrate a goal

Primeiro time a ficar com a taça nomeada como Jules Rimet, em 1938, os triunfos da Itália em 1982 e 2006, assim como as derrotas nas decisões para o Brasil, em 1970 e 1994, mostram o poder da Itália em começar a fase inicial de maneira bem lenta, antes de aparecer como grande time nas fases finais.

Neste aspecto, a classificação italiana para a Copa do Mundo de 2014, apesar do estilo de jogo mais ofensivo implementado pelo técnico Cesare Prandelli, foi de maneira bastante italiana. Campeões do Grupo B das Eliminatórias Europeias, a Itália não perdeu nenhum de seus dez jogos. O status do veterano goleiro Gianluigi Buffon como estrela maior do time é o reflexo desta história.

E foi durante a noite em que Buffon igualou os 136 jogos pela Azzurra, marca primeiro atingida por Fábio Cannavaro, capitão no título mundial de 2006, que a Itália repetiu o seu hábito de uma vide inteira, e foi bem quando mais importava. Os gols de Giorgio Chiellini e Mario Balotelli, no segundo tempo, cancelaram a vitória temporária da Repíblica Tcheca, que perdeu por 2 a 1 em Turim, dando aos italianos a vaga na Copa do Mundo com duas rodadas de antecedência.

Tal feito fez da Itália, ao lado da Holanda, que estava jogando na mesma hora, o primeiro país europeu a garantir presença no torneio. Uma mudança de eventos que não poucos acreditavam após as primeiras derrapadas do time de Prandelli nas Eliminatórias. Dois gols de Pablo Osvaldo foram dois momentos raros no empate em 2 a 2 com a Bulgária, na estreia.

Mattia Destro marcou o seu primeiro gol pela seleção italiana com pouco mais de cinco minutos de jogo, contra a pequena Malta, em Modena. No entanto não aconteceu nenhuma goleada. Quando Federico Peluso fez o segundo gol da Itália, o ar de frustração do estádio era bem palpável.

Um jogo difícil em uma vitória por 3 a 1 sobre a Armênia se seguiu, com Osvaldo completando o marcador. No entanto, o atacante do Southampton teve uma noite para se esquecer e ficou em débito com seus companheiros de time, que finalmente responderam às críticas contra a Dinamarca. Riccardo Montolivo abriu o placar no San Siro e Daniele De Rossi, também meio-campista, ampliou de cabeça. Willian Kvist diminuiu para os visitantes nos acréscimos do primeiro tempo.

Nove segundos após o início da etapa complementar, Osvaldo deu uma cotovelada inexplicável em Nicolai Stokholm e foi expulso. Ainda assim, a Itália se recusou a cair de rendimento e Balotelli driblou a armadilha do impedimento para aproveitar o passe de Andrea Pirlo, selando os pontos.

Dois gols de Balotelli afundaram Malta, que perdeu por 2 a 0 mais uma vez. Buffon salvou um pênalti de Michael Mifsud para começar uma sequência de três jogos sem levar gols, que muito se deveu à sua competência. No entanto, o famoso e controverso atacante do Milan se juntou a Pablo Osvaldo fora de campo por causa de um cartão vermelho recebido em um empate sem gols em Praga.

A sua ausência serviu como um novo início para o veterano atacante Alberto Gilardino no confronto contra a Bulgária, vice-líder da chave, em Palermo, e o atacante do Genoa agradeceu à chance dada por Prandelli fazendo o único gol. Balotelli voltou a brilhar e marcou, de pênalti, um gol decisivo na volta contra a República Tcheca, antes dos empates por 2 a 2 contra Dinamarca e Armênia, que fechariam o grupo.

Prandelli sabe que Osvaldo, Balotelli e seu companheiro de time Stephan El Shaarawy podem dar o brilho no ataque, que deixará os adversários com dores de cabeça. Mas mantê-los todos na linha no Brasil pode ser uma tarefa para a qual o técnico italiano precisará recorrer à algumas aspirinas também.

Moustache webdesign